quarta-feira, 7 de maio de 2008

O paradigma educacional emergente


Texto para leitura.





O paradigma educacional emergente
baixe o texto clicando no link abaixo no blog e poste aqui seu comentário.

42 comentários:

Larissa disse...

Este é o nosso Blog. A partir de agora, é só participar ...

Então ... Vamos ler !!!

Abraços

Larissa

simone disse...

Que maravilha! O blog, é muito legal!
Temos que investir muito
em cursos de informática para acompanhar a tecnologia!
Abraços!
Simone.

mirivan disse...

Ah, que bom, consegui criar minha conta no gmail, chique, não?

Maria Ines disse...

Oi, estou parabenizando a escola por mais esta conquista. O texto é longo, complexo, mas bem interessante e cada vez mais acredito no estudo como forma de crescimento profissional. Como vamos cobrar estudo se nós mesmos não estudarmos? Então vamos lá.
Beijões mil.
Maria Ines.

Larissa disse...

Ao ler o texto não sei se conseguiria definir o termo "paradigma". Alguém pode me ajudar ?

Beijos

Larissa

Aléxia disse...

Nossa Escola saindo na frente mais uma vez... Agora vamos arregaçar as mangas e ler o texto, que é longo e complexo...
Abraços a todos
Aléxia

Viviane disse...

Adorei o nosso Blog. Vaiser muito bacana estudar em equipe. O texto é
longo e complexo, porém a leitura é bem interessante.
Que tal descobrirmos juntos a dúvida da Larissa?
Vai ser bem legal aprendermos com união.
Bons estudos a todos.
Beijocas!
Viviane

E.M.P.J.M disse...

Comentário de Ana
Após ler o texto coloco algumas questões que gostaria de discutir com a equipe escolar a fim de traçarmos o perfil da EMPJM a partir da trajetória dos paradigmas colocados em discussão pelo texto lido:
1-O que entendemos por paradigma?
2-De que maneira este conceito vem influênciando a educação?
3-Como entendemos o paradigma educacional atual?
4-O que compreendemos dos referenciais que emergem da construção teórica de natureza construtivista,interacionista,sócio-cultural e transcendente?
5-Quais as implicações dos novos paradigmas na formação e na prática pedagógica do professor?
6-Qual a identidade da EMPJM e quais os paradigmas estruturam a organização do ambiente de apredizagem?
Acredito que devemos perguntar inicialmente :
QUEM SOMOS NÓS NO CONTEXTO EM QUE ESTAMOS INSERIDOS?
O TEXTO LIDO SERÁ BASE PARA NOSSO FÓRUM.VENHAM PREPADOS PARA A REFLEXÃO!

ROBERTA disse...

Olá pessoal, o noturno da Escola Professor José Macciotti, já está na área!!!!!! Adorei o nosso Blog!!
Parabéns pela idéia
Beijos
Roberta

marcia disse...

Após ler o texto pude perceber que paradigma são modelos criados a fim de facilitar o trabalho na educação. As mudanças são feitas mas nem sempre são visíveis! Acredito que como educadoras deveríamos repensar nossas práticas educacionais, buscando inovações que possam facilitar o processo ensino aprendizagem. Fica claro, no texto, que o ensino compartimentalizado não nos serve mais, A interdisciplinaridade e a bagagem que o aluno nos traz são fatores importantes na construção do conhecimento. Muito bom o texto, complexo mas que fala tudo que aprendemos nos bancos da faculdade!Basta apenas colocarmos em prática esses novos paradigmas!!!

ROBERTA disse...

Adorei a temática proposta pelo texto. Pois o mesmo aborda inicialmente as propostas educacionais relacionadas às novas tecnologias e seus reflexos no processo educacional.
Inicialmente a autora retrata o uso de programas educacionais que não levam em consideração a real necessidade do aluno.
Colegas, acho que já ouvi isso antes?
E vocês???
Ao falar em "Paradigma educacional emergente", é importante salientarmos, que ao falarmos em paradigma, este significa, uma ruptura com um processo arcaico e tradicional.
E na sociedade globalizada contemporânea, no nosso caso, o Brasil, estamos vivenciando uma tentativa de mudança no processo educacional, ou seja , estamos emergindo para uma nova proposta, por este motivo a autora reporta ao paradigma emergente.

Beijos
Roberta e Marli

elisabete disse...

A partir de agora vamos todos participar de um grande desafio, mas acredito que será gratificante e compensador
O texto é complexo e a pergunta da Larissa é realmente pertinente.
Um grande beijo!!!
Elisabete

Maria Ines disse...

Bom, então vamos retornar à pergunta da Larissa. De acordo com o texto, paradigma refere-se a modelo ou a padrões compartilhados que permitem a explicação de certos aspectos da realidade. É mais do que uma teoria , é uma estrutura que gera novas teorias.Esta definição é de acordo com a autora do texto. Segundo o dicionário , paradigma é modelo; norma; padrão ;exemplo. A minha definição está dada. Agora se alguém achar uma definição mais pertinente, estou aberta a sugestões.E as outras perguntas que a escola propõe? Quem pode responder?

angela disse...

O que entendemos por paradigma?
Paradigma é o embasamento norteador
que sustenta toda fundamentação teórica.
Podemos exemplificar isso quando estudamos no texto a comparação da evolução humana e a sua relação com a educação.
As diferentes descobertas embasavam e fundamentavam o paradigma vigente naquela determinada época.

mary disse...

Quais as implicações dos novos paradigmas na formação e na prática pedagógica do professor?
R. Através de uma concepção sócio-interativa-construtivista, a ação pedagógica,deixará de ser centrada no autoritarismo, passando para uma postura real e significativa, tanto para o professor, quanto para o aluno.

mary disse...

Em uma sociedade globalizada temos que caminhar na educação para as mudanças futuras. Pois educação é a base de tudo.

cristina disse...

Para caminhar em uma sociedade globalizada temos que apostar na educação.

alessandra disse...

A leitura do texto nos leva a fazer muitas reflexões.
Muitos pontos,nos faz pensar numa mudança em nossa prática pedagógica. Seria maravilhoso se pudéssemos contar com escolas e profissionais que abraçassem esse ideal de educação.
Por outro lado, fazemos parte de um Sistema que não compartilha esses mesmos ideais, já que ainda enxerga a educação e o educando como meros números percentuais em resultados de avaliações sistêmicas.

marcia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nara disse...

Nara
Estou elogiando a brilhante idéia da equipe dirigente da escola na criação do blog.
Deixo aqui meu comentário a respeito do texto:
Um novo paradigma em Educação, ainda não está totalmente consolidado, mas já vemos nas idéias e nas práticas dos educadores que sabem captar os sinais dos tempos e cumprir seu papel de construtor dessa nova história.
Faço aqui uma comparação entre o velho e o novo paradigma da Educação.
- Antigamente, o professor era um leitor da matéria; hoje o professor é um orientador da aprendizagem que ao invés de pesquisar pelo aluno, ele o estimula a querer saber mais .
-O aluno era um receptor passivo; hoje o aluno é o agente da aprendizagem, capaz de buscar por si mesmo os conhecimentos e formar seus proprios conceitos e opiniões.
- A escola tentava evitar uma sociedade em que os homens valham menos do que as máquinas e a tecnologia passe a ser o centro do universo e a escola só se comunicava com família quando necessário, raramente se abria para a sociedade e quase nunca participava dos problemas da comunidade;hoje neste novo paradigma a escola tenta formar uma sociedade em que o homem seja o centro e utilize a tecnologia a seviço do Bem de todos. A escola hoje é um espaço aberto e conectado com o mundo.
No novo paradigma que o contexto atual já exige de nós, uma das práticas mais importantes é a do conhecimento construido, buscado pelo grupo, partilhado. A medida que o saber é construido, ocorre a partilha dos conteúdos e das experiências.
Como dizia Paulo Freire "Ninguem educa ninguem, ninguem é educado por ninguem; os homens se educam juntos, em comunhão". A internet é um dos caminhos desse processo

neusa abadia disse...

Adorei o Blog. Isso mostra como nossa escola aconpanha as evoluções.
Em relação ao texto apesar de complexo é muito interessante para que possamos refletir sobre nossa prática educacional e os "nossos paradigmas".
Gostaria de me desculpar com todos pela minha ausência nos fóruns e oficinas que acontecerão durante a semana, mas com certeza aos sábados estarei presente participando com vocês para compartilhar desta verdadeira capacitação.
Beijos
Neusa

Juliana disse...

Está sendo uma oportunidade muito boa, aprender e compartilhar conhecimentos... Vamos lá!!! Mãos á obra... O paradigma educacional emergente requer novas práticas curriculares e metodologias inovadoras, para satisfazer às necessidades de uma sociedade globalizada,e q transforma a vida das pessoas, seja na maneira de se comunicar,ou na forma de pensar.
abraços...

marcia disse...

Concordo com a Nara quando ela reflete sobre como era tratada a educação e como hoje trabalhamos, mas infelizmente, ainda hoje, podemos ver professores desinteressados em buscar essas novas formas de ensinar, percebemos que ainda temo colegas de profissão que trabalham na teoria de aprendizagem tradicional, e não estão abertos a mudanças. Ainda bem que são poucos, e os que estão engajados nesses novos paradigmas fazem a diferença!!!
Por isso gosto tanto da equipe de nossa escola pois sinto que, senão todos, a maioria busca aprefeiçoamento e formação contínua para alcançarmos nossas metas,
a formação integral do educando, tornado-os cidadãos participativos, críticos e integrados à sociedade.
É isso aí, nossa "equipe" é a melhor!!!!

Ilidia disse...

Paradigma emergente é um modelo atual de Educação ,ou seja,uma nova visão de análise de processo de ensino. Ao ler o texto me fez lembrar de mesu professores na faculdade de pedagógia e adorei.
Para mim é primordial atender o interesse e as necessidades do aluno. Procuar um conteúdo útil ao aluno. Envolver mais os grupos nos trabalhos interdisciplinares. Também contronar os nossos impulsos ,reagindo e seguindo juntos as mudanças contínuas de descobertas e transformações acompanhando as evoluções que nos permite a cada dia.

romilda disse...

A cada segundo, estou aprendendo mais.Isto com certeza está acontecendo no geral,com as mudanças do mundo moderno, so não aprende quem está com uma venda nos olhos , ou simplesmente não querem ver que tudo está mudando e nos preciusamos nos adequar a essas mudanças rápidinho se não quiusermos ficar ultrapassados. E TENHO CERTEZA que a cada dia nos teremos mais novidades satsfatoria para uma educação plena de resultados bons.E com certeza um recolhecimento da sociedade que só com a EDUCAÇAO é possivél ser melhores.Porque acredito que ESCOLA-familia, tem que caminhar juntos. POIS OS EDUCADORES,somos todos nós, que de uma forma ou de outra colaboramos para uma educação saudável, como dar um rémedio para curar uma dor de cabeça, uma palavra amiga, na limpeza das salas, numa alimentaçao boa, porque afinal nossos alunos também são um pouco filho nosso.VALE A PENA DIZER TUDO EM PROL DA EDUCAÇÃO. Abraços
Romilda
14 de Maio de 2008 ás 12:14

viviane disse...

Concordo plenamente com a reflexão feita pela Nara.
As transformações vem ocorrendo com o passar dos tempos e a tecnologia atropelando o que vê pela frente.
Precisamos então adotar novos paradigmas na construção do conhecimento e acreditar na educação para obtermos melhores resultados.

Shirley Beatriz disse...

Olá pessoal, adorei trabalhar em via internet.Achei legal!!!

Entendo que paradigma são modelos de um padrão a ser estudados, para melhor conhecer e analisar. (açáo-reflexão-ação) agir-refletir-intervir

almerinda disse...

Nossa!Que dificuldade para acessar, mas ficou ótimo. Tenho que quebrar mais um paradigma na minha vida, que decididamente é me tornar mais íntima das inovações tecnológicas, que nesses últimos tempos têm se tornado uma das ferramenta de auxílio ao professor.

mirivan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Otaviano disse...

Hoje, 14 de maio, data de nosso segundo fórum, a Maria Rita e eu estamos, em primeiro lugar, felizes pelo acolhimento na escola José Macciotti e em segundo lugar otimistas na aposta no sucesso da travessia que a escola começa a realizar com seus protagonistas: professores, gestores, alunos, funcionários, comunidade externa e assessores.
Um abraço e bom trabalho a todos.

mirivan disse...

Achei o texto muito interessante para reflexão mesmo, principalmente quando se fala da prática educativa como processo de ação/reflexão/ação:a própria prática torna-se objeto de análise e reflexão, subsidiada por elementos teóricos, o que faz dela uma atividade consciente e em constante aprimoramento.

Maria Beatriz disse...

O texto é complexo porém faz referências a educação com o passar dos tempos.
Mudanças precisam acontecer, pois somos seres histórico - culturais e necessitamos de constantes transformações. Neste sentido,
necessitamos nos adaptar aos novos paradigmas. Bia e Ciabotti

Alvaro disse...

Não pude participar do 1º forum mas este 2º achei fantástico, a presença dos professores Otaviano e Maria Rita veio enriquecer o nosso tema em discusão. Para fazermos esta travessia de paradigmas temos que observar e trabalhar alguns pontos como citou Otaviano: a estrutura social, a estrutura interna e o entorno social. Estes são os pontos que teremos que trabalhar com planejamento, visando a escola que queremos.
Como ele mesmo diz temos que ser ousados para desvencilharmos de algumas amarras.

Marines disse...

Que bom que estamos com mais esta proposta de trabalho.Com o trabalho em equipe juntos, com certeza iremos encontrar caminhos para sanar esta fase tão critica que estamos convivendo na educação atual. A família a cada dia mais distante da escola e nos responsabilizando pela a vida de seus filhos.

Otaviano disse...

Colegas de trablho,
bom dia.
Passei um fim de semana feliz, primeiro, por ter tomado contato com as primeiras participações dos colegas-professores no Blog, segundo, pela oportunidade que tivemos de ir até à escola (a Rita e eu) tentar crescentar alguma reflexão sobre o texto lido (da Maria Cândida) e da procura de uma identidade (em construção) da EMJM.
Gostria de fazer um comentário passoal de cada participação, mas esbarro em alguns obstáculos: a) o tempo não me permiritiri, b) não tenho a primazia da palavra, c) fica "chato" repetir um discurso em que há convergências de pontos de vista. Assim, resolvi fazer um comentáro "em bloco", deixando claro que ninguém fica "de fora" em minhas considerações, vale dizer, todos estão, direta ou indiretamente considerados em minha leitura.
Vejamos (nos próximos comentários abaixo).

Otaviano disse...

Primeiramente a colega Larissa, na semana passada, disparou um pedido de ajuda para a compreensão de paradigma.
A Ana apresentou um importante rosário de questões, que mostra estar tudo interligado e penso que os nossos fóruns deverão trazer á tona muita questão ali posta; por exemplo, quando Márcia fala do ensino compartimentalizado que não nos serve mais, a interdisciplinaridade tão discutida na educação, nem sempre suficientemente compreendida e realizada porque se confunde, via de regra, em apenas juntar mátérias ou conteúdos, etc.
A Maria Inês arriscou, e bem, uma respota: "Paradigma é o embasamento norteador que sustenta toda fundamentação teórica", o que mostra um avanço em termos de ultrapassar o sentido meramente de "modelo".
Já a Roberta chama a atenção para o sentido de ruptura com um processo engessado de repasse de conhecimento (no modelo de escola que herdamos).
A Nara apresenta uma série de atribuições novas de um professor situado já dentro do III milênio, superando, no cotidiano, o que herdamos.
A Ilídia vai numa direção semelhante, relembra as lições da faculdade e aposta em mudanças concretas, mesmo "miúdas" (o que me ficou subentendido).
Já a Ângela, da mesma forma que a Maria Inês, arrisca uma definição de paradigma que está muito próxima do que falei na noite de quarta-feira: "Paradigma é o embasamento norteador
que sustenta toda fundamentação teórica".
Bem. É isso mesmo. Vocês se lembram quando me referi à metáfora da plataforma de lançamento de foguete. Paradigma é uma base a partir do qual as teorias são lançadas, superadas ou melhoradas. E isso vale para todo o campo social, incluindo o da educação, que mantém uma relação umblical com o que acontece nos outros campos sociais, das ciências e das respectivas cosmovisões, ou visões de mundo, que as envolvem. Como dizia, não era possível ser ateu na Idade Média, um mundo absolutamente teocêntrico; não havia ambiência cultural, teórica (no caso teológico, filosófico e "pré-científico"/no sentido de Ciência Moderna) para alguém arriscar-se ao ateísmo, assim como hoje não há como fugir de uma paradigma tecnocêntrico de sociedade, etc.
Penso que, com isso, e com nossa fala na noite de quarta, o conceito ficou mais ou menos embasado e compreendido.
O que Maria Cândida chama de "paradigma educacional emergente" trata-se de um grande pano de fundo, (uma grande plataforma) a partir do qual a educação está e estará sendo pensada, valiada e transformada, doravante. E isso envolve teorias educacionais das mais diversas, práticas... e, por conta disso, uma infinidade de revisão crítica de nossas heranças (do que deu certo no passado) no sentido, como dissemos, da aposta numa travassia histórica. Já estamos dentro dela, via de regra já com um certo "atraso", embora tudo tenha seu tempo histórico, como se diz do ponto de vista da teologia bíblica, seu "kairós", ou seja, seu tempo vivido significativamente. Vamos apostar nisso, sem um mera adaptação forçada.

Otaviano disse...

Vocês sabem qual o grande problema de nossas iniciativas, na educação escolar, após as investidas em novos estudos, cursos, congressos, fóruns, enfim, formação continuada?
É o chamado dia seguinte (day after) - em geral segundas-feiras, porque, via de regra, os eventos são em fins de semana.
Pois bem. Quero reafirmar nossa posição (minha e da Rita), até por conta de uma postura ético-profissional, de que nada vai ser fácil, naturl ou mesmo "automático".
Não é porque vislumbramos um pardigma novo ou "emergente" (conforme a leitura nos indicou) que, no dia seguinte, ele (este novo paradigma) virá bater em nossa porta, como se fosse um ente mágico e dizer: muito prazer, professores, eu sou o paradigma emergente, estou aqui pra ajudar todos a superar o "velho", porque tudo o que vocês fizeram, ou estão fazendo, "está superado" e nós vamos reinventar a EMJM a partir do zero, etc.
Com os pés no chão, vamos nos livrar, primeiro, (como dissemos naquela noite) da visão etapista que os revolucionários dos séculos XIX e XX tinham de transformação da sociedade.
Hoje há uma consciência muito clara de que é no miúdo que o graúdo acontece. Os orientais têm um pensamento milenar que muito me atrai: "o infinitamente grande é análogo ao infinitamente pequeno". E penso que é assim que vamos proceder, no chão da escola, no seu dia a dia, no contato direto cm nosso pares, (alunos, colegas professores, gestores, comunidade), na consciência, como diz um autor chamado Murice Tardif, que o professor produz saberes que surgem de um lastro da profissão que só ele tem, como em todo profissão, e isso é insubstituível, partir do qual tudo está relacionado. Por exemplo, o modo como avaliamos um aluno está relacionado com uma visão pedagógica da escola, com nossas heranças (com o que fazemos por costume porque é assim que "dá certo"), com a regras gerais,impostas ou mais ou menos flexibilizadas, as pressões do sistema educacinal, dos pais, do mercado, etc.
Neste sentido, o professor Álvaro relembrou nossa fala de quarta-feira, quando apontamos três eixos em que as mudanças devem acontecer de forma integrada: a estrutura social, as relações internas e o entorno social da escola.
Não podemos esconder o fato de que vocês professores deverão encontrar problemas, sobretudo resistências, de todos os lados: de pais, de mercado, às vezes de quem comanda a educação, com o temor de "perder as rédeas", de colegas que preferem o comodismo da "volta ao que dava certo", de leis engessadas... enfim, há um exercício de poder em jogo que implica em, de fato, ter a parceria de uma gestão que sustente tal investida na travessia de que falamos.
Sugiro mais uma vez que todos nós olhemos as experiências ousadas que etão acontecendo no país (e no mundo afora) e nem sempre é algo mirabolante: começa com mudanças miúdas. Imagino que um de nossos próximos exercícios (que iremos discutir com a direção) será a procura de tais experiêncas, não para que sejam copiadas (pis aí não investiríamos numa identidde da EMJM) mas a atitude humilde de aprender com outras experiências.
Estamos (a Rita e eu) apostando nisso.

Otaviano disse...

Gostaria de dizer que a participação de todos no debate foi muito enriquecedor. O tempo não me permitiria relembrar todas, mas quero ressaltar a fala de uma professora de Biologia, não me lembro o nome (um de meus tantos defeitos é esquecer nomes).
Quamdo ela se referiu ao fato de que já se sentia iludida, desencantada, desanimada...porque tem de trabalhar com muitas turmas (se não me engano em outras escolas/?), com um sistema engessado de aulas após aulas, em que não pode sair de uma sala e ir com a classe até a um córrego estudar, in loco, um problema de saúde pública, meio ambiente, formação de fungos, etc., e salientou a importância do envolvimento da comunidade.
O apelo para a construção de um novo perfil de professor, com novas atribuições, vai por aí mesmo: envolver a comunidade com múltiplas parcerias (emnpresários, pais, outros agentes sociais) para viabilizar uma construção de conhecimento em que o aluno, na prática, possa "viajar" num processo em que o professor terá uma função precípua de orientar criticamente a aprendizagem, garantindo-a numa nova articulação de sentido para quem aprende, inluindo ele mesmo, com os outros agentes sociais (por exemplo, um gari, dando e recebendo lições de cidadania, junto com um médico sanitarista, um agente social da comunidde, de um posto de saúde, pais, mulheres grávidas, mães em amamentação, etc) e não só repassar lições de compêndios em frente de lousa, porque a wikipédia já faz isso de modo interativo.
O envolvimento da comunidade, que terá de superar uma postura de apenas cobrar resultados do professor, será um tema recorrente de nossos próximos fóruns.
Nós apostamos nisso.

Otaviano disse...

Enfim,
fechando nossa (minha e da Rita) participação de hoje, quero lembrar um fato engraçado. Uma professora, parece que foi a Romilda (se não foi, me desculpe, porque, como já disse, esqueço fácil os nomes), ela me confidenciou: "Olha, não ligue para as minhas maluquices quando você acessar o blog; sou assim mesmo!".
Ocorre que, no primeiro parágrafo de sua fala, no blog, ela disparou:
"A cada segundo, estou aprendendo mais.Isto com certeza está acontecendo no geral,com as mudanças do mundo moderno, so não aprende quem está com uma venda nos olhos , ou simplesmente não querem ver que tudo está mudando e nos precisamos nos adequar a essas mudanças rapidinho se não quisermos ficar ultrapassados. E TENHO CERTEZA que a cada dia nos teremos mais novidades satsfatórias para uma educação plena de resultados bons".
Ora, Romilda, se ser maluco é ter essa lucidez, então me empresta um pouco dessa sua maluquice para eu engrossar, com você e tantos outros, a fila dos otimistas, desde seja um otimismo não "redentor" (aquele que aposta na educação como "senhora de todos os milagres") mas um otimismo real, situado, ciente das dificuldades, das limitações - conforme conversamos.
Nós apostamos no aprender a aprender, mesmo estabanado!

marcia disse...

Adorei ler os comentários do Sr. Otaviano, que bom que estamos no caminho certo.Vamos continuar discutindo mais um pouco sobre isso??

Professora roberta disse...

Olá pessoal gostei muito da iniciativa da nossa escola, referente ao blog, que resolvi criar o meu, com a ajuda do grande companheiro Alvaro!!!!! Venham participar do debate referente as questões ambientais!!!! Estou aguardando vocês.
Beijos
Roberta


http://geografianoseculoxxi.blogspot.com

romilda disse...

Professor Otaviano, como é bom ter pessoas como você. E Diretora como a nossa Ana, para criar um blogger para que nos possamos tirar as nossa dúvidas e clarear a nossa mente.Eu me julgo muito otimista, pois eu acredito no ser humano, com sua inteligência, e nas pessoas que estão a frente da Educação.Quando todos nos unirmos,nossas experiências, para o engradecimento das pessoas, isto independe de sermos bem remunerado ou não, temos que dfar nossa colaboração nesta vida sem pensarmos em dinheiro, como é gratificante sabermos que de alguma forma fomos últil,sei que o sálario está ruiim e como.... Mas nem por isso vou chegar no meu trabalho com desanimo, alunos sem interesse, mas será que eu também não estou desmotivada. Vamos fazer com AMOR, respeito, carinho.. e tenho certeza que vamos colher frutos maravilhosos, e não é muito distante não;Se de 30 alunos, um se formar em médico...engenheiro.. professor etc, nao importa vai ser mais um que irá continuar tudo que voce passou para essa pessoa. Meus colegas, a escola da vida, essa ninguém pode fugir,nas LOUSAS, pichadas nos murros da escola real,aprendemos com o mendigo, com os garotos do farois, com as prostitutas da noite, com o motorista estressado, com os fumantes, da maconha que destroi a sociedade. E ai?...CADÉ o seu salário... então vamos refletir e procurar ajudar de alguma forma a formar cidadãos, seja na música, nas palavras no dia a dia... e sabermos que quando se quer unidos se transforma..e não é só cumprindo o seu papel de vir dar uma aula e acabou;Começou com garra determinação, com vontade e não ser um enfeite na frente do quadro negro.E quem sabe daqui alguns anos, aquele seu aluno, será um dos nossos GOVERNANTES, e com certeza aprendeu com voce, e transformará a EDUCAÇAO... no patamar merecido com a elevação do PROFESSOR DO PROFISSIONAL RECOLHECIDO MUNDIALMENTE PELA SOCIEDADE AGRADECIDA PELA EDUCAÇÃO. AFINAL VAMOS PLANTAR BEM, PARA COLHERMOS BONS RESULTADOS. E SABER ESCOLHER...porque ´so com uma sociedade 'EDUCADA', bem alimentada pelas palavras ditas, teremos resultados bons. falei de mais..OBRIGADA, Otaviano e MARIA Rita. Romilda;